Notícias e Blog

Todos os posts (67)

  • No primeiro dia do Encontro de Integração Seduc e Secretários Municipais de Educação, no auditório da Escola Estadual de Educação Tecnológica Professor Anísio Teixeira, no Umarizal, em Belém, a secretária de Estado de Educação, Ana Claudia Hage, convocou os dirigentes municipais a se integrarem no Pacto pela Educação do Pará, com foco no aperfeiçoamento da educação do Estado. Ela defendeu a renovação de esforços para superar desafios da educação em um momento delicado da vida econômica nacional.

    O Pacto pela Educação, em funcionamento desde 2013, é uma frente de atuação capitaneada pelo Governo do Estado e compartilhada por prefeituras municipais, instituições, entidades de classe e empresas para fortalecimento de ações pedagógicas nas escolas públicas estaduais e municipais.

    “Este é um ano especial para a educação no Brasil, particularmente no Pará. É ano de Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), e quando se fala nesse índice não se fala apenas nas escolas estaduais, mas também nas municipais. Para que possamos aumentar o Ideb do Pará é fundamental caminharmos juntos, Estado e municípios”, enfatizou Ana Claudia. O encontro prossegue nesta quinta-feira (16).

    Conquistas – A titular da Seduc expôs a proposta do Pacto pela Educação do Pará, como estratégia de valorização do setor educacional no Estado para o enfrentamento de situações de desigualdade social, violência e desemprego, provocadas não apenas no Pará, mas no Brasil como um todo. Em 2015, o pacto começou a colher os frutos do trabalho iniciado em 2013. A educação pública paraense cresceu em todos os níveis e séries avaliados pelo Ideb entre os resultados de 2013 e 2015.

    No caso do ensino médio, o Pará conquistou o segundo maior crescimento do Ideb, subindo quatro posições no ranking nacional. No ensino fundamental I, o crescimento de 0,5 entre 2013 e 2015 foi suplantado apenas pelos Estados do Ceará (0,7), Alagoas e Maranhão (0,6).

    Em 2015, 18 municípios haviam aderido à iniciativa Município Piloto do Pacto; em 2016, 22 novos municípios integraram a frente, chegando-se ao total de 40 dos 144 municípios paraenses. Esses municípios piloto, com conquistas estratégicas na educação, servem de referência para os demais no Estado.

    Na comparação dos resultados de 2013 com os de 2015, os 18 municípios piloto do pacto apresentaram crescimento acima da média estadual. Nos anos iniciais do ensino fundamental, 72,2% tiveram ganhos iguais ou superiores à média estadual. O mesmo ocorreu com 50% dos municípios nos anos finais do ensino fundamental. Ulianópolis conseguiu mobilizar o maior número de empresas parceiras (32) e já superou a meta projetada para o ano de 2021, com o Ideb de 5,9. Outras cinco prefeituras já atingiram metas estipuladas para médio e longo prazo, para os anos de 2017 e 2019: Paragominas, Santa Bárbara do Pará, Salvaterra, Santarém e Tailândia.

    Compromisso – A prefeita de Nova Timboteua, Cláudia do Socorro Pinheiro Neto, destacou que “todo mundo participando do pacto aumenta a força pela nossa educação”. Para o técnico em Educação e representante da Associação dos Municípios da Calha Norte (Amucan), Euclides Reis, “esse evento vem socializar os desafios, as parcerias, no sentido de apontar caminhos para os novos secretários municipais de Educação que acabaram de assumir e que não têm tanta experiência na função”.

    A secretária de Educação de Canaã dos Carajás, Jacqueline Moura, observou que a partir do Pacto pela Educação o município tem concretizado a formação continuada de professores e outras ações voltadas para o atendimento dos alunos nas unidades escolares. Para a secretária de Educação de Belém, Rosinéli Salame, a crise financeira atinge negativamente os investimentos na educação, e esse contexto reforça a necessidade de aproximação entre os municípios e a Seduc por meio do Pacto pela Educação para concretizar ações em prol dos estudantes nas escolas.

    A secretária adjunta de Planejamento e Gestão da Seduc, Mariléa Sanches, falou sobre a necessidade de os gestores municipais atentarem para o cumprimento de prazos e ações determinadas em convênios com a Seduc. O coordenador de Tecnologia de Recursos Tecnológicos e da Informação da Seduc, Jorge Andrade, explanou sobre o funcionamento do Sistema Integrado de Gestão Educacional Paraense (Sigep) voltado para facilitar a gestão escolar, com módulos sobre pré-matrícula, matrícula, lotação de pessoal, projetos educacionais, cadastro de estudantes e outros tópicos.

    Por Eduardo Rocha | Ascom/Seduc

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • O Pará obteve o segundo maior crescimento da nota do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2015 e, com o resultado, subiu quatro posições no ranking nacional em comparação com os dados do levantamento de 2013. Os resultados da avaliação foram divulgados nesta quinta-feira (8), pelo Ministério da Educação (MEC), em Brasília.

    Enquanto em 2013 o Pará ocupava a 26ª colocação no Ideb, em 2015 o Estado subiu para o 22º lugar, passando de 2,7 para 3,0 no ensino médio, à frente de Estados como Alagoas, Bahia, Rio Grande do Norte e Sergipe. Se considerada a evolução, isto é, a diferença entre a nota obtida em 2013 e 2015, o Pará, com acréscimo de 0,3 na nota, registrou resultado igual ou melhor que Unidades da Federação como Acre, Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo e Tocantins.

    A evolução nos resultados, como observa a secretária de Estado de Educação, Ana Claudia Hage, ocorreu em todos os níveis – dos anos iniciais e finais do ensino fundamental ao ensino médio –, e o Estado do Pará já atingiu a meta nacional proposta para os anos iniciais do ensino fundamental. Em relação aos demais segmentos, aproxima-se do objetivo.

    “Estamos comemorando porque avançamos, o que é sinal de que estamos no caminho certo, pois fomos o segundo Estado que mais cresceu no ensino médio, apesar de 2015 ter sido um ano atípico na educação no Pará. Enfrentamos 73 dias de greve, mas tivemos uma nota maior em relação ao Ideb anterior. Isso se deve ao esforço coletivo de professores e técnicos e, especialmente, à dedicação dos nossos alunos, que abraçaram nossos projetos se preparando para a Prova Brasil. Esse resultado é uma grande vitória da sociedade paraense”, diz a secretária.

    Pacto pela Educação já mostra resultados

    Lançado em 2013, ano em que o Pará registrou nota 2,7 no Ideb, o Pacto pela Educação já começa a colher resultados. “Aliás, houve especial evolução nos desempenhos dos Municípios-Piloto do Pacto pela Educação”, afirma Ana Claudia Hage. Um exemplo é o município de Ulianópolis, no sudeste paraense, que obteve destaque como o município de melhor desempenho estadual, com nota 5,9 nas séries iniciais e 4,6 nas séries finais do ensino fundamental.

    É necessário dar especial destaque, diz a secretária, para o desempenho dos anos iniciais do ensino fundamental. “Com nota 4,2 nos anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º), o Pará superou a meta projetada para 2015, que era de 4,1 para a rede estadual de ensino. Foi melhor, com Ideb de 4,5 e meta 4,1 em 2015”, explica a secretária. Nas séries finais (6º ao 9º ano) houve crescimento de 0,2 com índice de 3,2.

    “Os desempenhos apresentados são um indicativo seguro de que a educação do Estado do Pará está no rumo certo. É importante destacar que a melhora nos resultados deu-se em relação a todos os itens que compõem o Ideb: proficiência em língua portuguesa, matemática e também em relação ao fluxo”, afirma Ana Cláudia Hage.

    Ainda segundo a secretária, é preciso enfatizar o papel da sociedade que, fundada no engajamento da família, dos alunos e da comunidade escolar, é fundamental para a efetivação do processo de mudança e de melhoria da qualidade da escola pública. A secretária enaltece também o papel dos professores na obtenção dos resultados positivos da educação no Estado, dando destaque para aqueles que sustentaram as atividades letivas mesmo durante o período de greve.

    “Temos muito o que avançar, mas é evidente que, no contexto de evolução dos resultados da educação no Estado do Pará, os programas e as ações desenvolvidas pela Secretaria de Educação que, isoladamente ou em parceria com outros órgãos públicos, influenciaram de forma positiva o desempenho dos alunos, ressaltando-se o Pro Paz Enem, os simulados nas escolas, o projeto Aprender Mais, as parcerias público-privadas, que lograram êxito na oferta de reforço escolar para os alunos da rede estadual de ensino, dentre outras”, destaca Ana Cláudia Hage.

    Por Kátia Aguiar | Ascom/Seduc

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • Max Leal, presidente da Associação dos Moradores da Comunidade Vitória, no bairro do Tapanã, em Belém, entidade que trabalha com 223 famílias, vai levar para a sua comunidade o projeto Família e Cidadania, desenvolvido pelo Governo do Estado no combate a evasão escolar. “A partir de agora, com tudo o que a gente está aprendendo, vamos elaborar um projeto junto com a Escola Adelbaro Klautau para garantir que o estudante permaneça na escola até a conclusão de todas as séries e também se sinta motivado a entrar para uma universidade”, destacou o presidente da associação.

    Além de Max Leal, outras 70 pessoas, entre lideranças comunitárias, professores, gestores de escolas dos bairros do Tapanã, Pratinha, Umarizal, Guamá, Val de Cans, Terra Firme e Distrito de Icoaraci, participaram nesta sexta-feira, 17, do processo de construção, junto com técnicos da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), de estratégias para o combate a evasão escolar em seus bairros.

    O debate aconteceu na sede da Escola Técnica do Sistema Único de Saúde (Etsus-PA), no bairro do Umarizal, e fez parte do encontro do projeto Família e Cidadania, promovido pelo Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC), de 8 a 17 deste mês, para fortalecer, através do envolvimento das famílias da rede de serviços de combate a evasão escolar, ações nas áreas de educação, saúde, assistência social, nutrição, empreendedorismo e cidadania.

    Em todo o Pará, de cada 10 estudantes que ingressam no Ensino Fundamental, apenas três concluem o Ensino Médio. Contribuem para este cenário diversos fatores, como falta de incentivo familiar e na escola, necessidade de obtenção de renda para família, gravidez precoce e uso de drogas e bebidas alcoólicas. O racismo também é identificado como uma das causas da evasão escolar.

    Marcilene Sales, da Coordenação de Ações Complementares (Caec) da Seduc que integra a equipe dos conselhos escolares, avaliou como positivo o envolvimento maior das famílias no combate a evasão escolar. “Através do Conselho Escolar a família se inseri para colaborar com as escolas, pois é justamente esse trabalho colegiado que será decisivo para que aluno permaneça na escola”, disse.

    Jorge Gama, professor de Geografia, defendeu a importância da escola na formação do cidadão. “Esse projeto é muito bom, pois é na escola que o aluno constrói seu conhecimento, fica ciente de seus direitos e deveres e principalmente ajuda, junto com as famílias a construir seus valores, por isso avalio de suma importância essa união de poder público e família no combate a evasão escolar”, defendeu.   

    Eneida Almeida, diretora de Assistência as comunidades do NAC disse que o Governo do Estado tem um trabalho destinado ao incentivo do engajamento das famílias no acompanhamento dos estudos dos filhos, a fim de combater a evasão escolar. “Somente com a união de todos será possível construir uma escola mais forte, onde o aluno se sinta mais estimulado a frequentar as aulas e ter um bom desempenho nos estudos”, avaliou.

    São parceiros do projeto Família e Cidadania as secretarias estaduais de Saúde Pública (Sespa), de Educação (Seduc), de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), a Defensoria Pública e a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural  do Pará (Emater).

    Por Kátia Aguiar

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • Na tarde desta quinta-feira, 16, a equipe do Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC) participou da reunião “Troca de Experiências entre os Municípios do Pacto 2015/2016”, realizada no auditório da Escola de Governança Pública do Estado do Pará (EGPA), que reuniu secretários de educação, representantes de organizações parceiras e da Secretaria de Educação (Seduc) que participam do Comitê Municipal do Pacto pela Educação do Pará. Atualmente, 40 municípios do Pará aderiram à iniciativa Município Piloto do Pacto (MPP), que visa mobilizar e apoiar municípios que buscam alcançar as metas do Pacto até 2017.

    O NAC foi convidado pelo Instituto Synergos, parceiro do Pacto, para fazer uma apresentação do projeto Família e Cidadania, desenvolvido pelo Núcleo, em parceria com as secretarias estaduais de Saúde Pública (Sespa), de Educação (Seduc), de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), a Defensoria Pública e a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater). 

    Com o segundo, dos cinco módulos, em andamento, o projeto tem sido considerado um sucesso pelos parceiros e participantes e pode servir de modelo para os 40 Municípios Piloto do Pacto. A diretora de planejamento do NAC, Meive Piacesi, fez a apresentação do projeto durante a reunião. O projeto visa orientar sobre os direitos de educação e saúde, além de estimular o empreendedorismo. Ele é formado por cinco encontros de vivência. Cada parceiro é responsável por um dos módulos: educação, saúde, assistência social, empreendedorismo e cidadania.

    Os 110 inscritos estão divididos em duas turmas. A carga horária de cada módulo é de quatro horas, totalizando 20h. O projeto tem o intuito de apoiar as famílias para que tenham cada vez mais condições de responder ao dever de sustento, guarda e educação de suas crianças, adolescentes e jovens, bem como a proteção de todos os membros da família.

    Nessa primeira edição o projeto beneficiará diretamente mais de 100 pessoas de 13 bairros de Belém. Estão envolvidas 32 Organizações da Sociedade Civil (OSC`s), 20 escolas estaduais e duas municipais. Participam também equipes técnicas de saúde do município e de escolas para orientações de alguns serviços durante os encontros.

    Municípios Piloto do Pacto (MPP)

    Em 2015, 18 municípios aderiram à iniciativa que visa mobilizar e apoiar municípios que se propõem a funcionar como "efeito demonstração". Os participantes devem servir como inspiradores para novos caminhos, na busca de melhoria dos resultados educacionais. E neste ano, mais 22 municípios aderiram, somando 40 Municípios do Pacto em 2016.

    Ao aderir à iniciativa, as Secretarias Municipais identificam e mobilizam parceiros já existentes ou potenciais organizações parceiras, que podem ser desde uma pequena empresa ou comércio, uma organização comunitária ou instituição religiosa, até uma empresa de grande porte para apoiar a ação.

    Os 40 Municípios do Pacto são: Almeirim; Ananindeua; Belém; Bonito; Breu Branco; Breves; Cachoeira do Arari; Canaã dos Carajás; Chaves; Curralinho; Goianésia do Pará; Ipixuna do Pará; Jacundá; Juruti; Limoeiro do Ajuru; Melgaço; Moju; Novo Repartimento; Oriximiná; Ourém; Paragominas; Ponta de Pedras; Porto de Moz; Prainha; Primavera; Redenção; Salinópolis; Salvaterra; Santa Bárbara do Pará; Santa Izabel do Pará; Santarém; São Félix do Xingu; São João de Pirabas; São Miguel do Guamá; Tailândia; Terra Santa, Tracuateua; Ulianópolis; Vitória do Xingu e Xinguara.

    O Pacto pela Educação do Pará é um esforço integrado de diferentes setores e níveis de governo, da sociedade civil (fundações, ONGs e demais organizações sociais), da iniciativa privada e de organismos internacionais (Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID), liderado pelo governo do Estado do Pará, em torno do objetivo de promover a melhoria da qualidade da educação pública no Estado do Pará. A meta é aumentar em 30% o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) de todos os níveis: Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio até final de 2017.

    Por Erika Torres

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • Em funcionamento desde 2013, visando elevar o nível da educação no Estado, o Pacto pela Educação do Pará, conjunto de ações do Governo do Estado e parceiros, acaba de concretizar novas conquistas para os estudantes paraenses. O Programa Jovem de Futuro (PJF), desenvolvido pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e Instituto Unibanco no Pará, acaba de ser considerado o de melhor desempenho no país.

    “Tivemos este ano, na avaliação do Instituto Unibanco, o melhor resultado de todos os Estados em que o Jovem de Futuro está. Isso quer dizer que estamos conseguindo alcançar o objetivo do projeto, que trabalha com o gestor dentro das escolas, e os nossos gestores estão percebendo a importância e fazendo o trabalho”, anunciou a secretária de Estado de Educação, Ana Claudia Hage, nesta quinta-feira (16), ao abrir reunião do pacto, no auditório da Escola de Governança Pública do Pará (EGPA).

    O desempenho de destaque obtido pela parceria da Seduc e Instituto Unibanco é fruto “do trabalho coletivo desenvolvido por professores, gestores de escolas, técnicos e da Diretoria de Ensino Médio e Educação Profissionalizante da Seduc, que estão focados em buscar o melhor resultado no PJF”, disse a secretária.

    Como ressaltou a gerente de Implantação de Projetos do Instituto Unibanco, Maria Júlia Gouveia, o Programa Jovem no Futuro no Pará foi reformulado, em 2015, para intensificar a elevação de aprendizagem em 45 escolas. “De 2014 para 2015 conseguimos girar uma curva ascendente na proficiência no Pará”, afirmou, observando que o programa atua nos Estados do Piauí, Espírito Santo, Goiás e Ceará. Na Escala Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica do MEC), em meio ano de investimentos, o Pará cresceu quatro pontos. Em uma década, o Brasil cresceu dez pontos.

    “Temos no pacto a parceria da Família Educadora, a fim de que a família assuma o papel de educar, para que juntos alcançar os objetivos do trabalho”, observou a secretária, destacando o papel da família no desenvolvimento de ações de combate à evasão escolar e valorização do processo ensino-aprendizagem, em projetos como Aprender Mais, Todos Aprendem, Mundiar (combate à distorção idade-ano escolar) e Jovem do Futuro.

    Aprendizagem - Além do Projeto Jovem de Futuro, o Sistema Paraense de Avaliação Educacional (Sispae) indica crescimento na aprendizagem de alunos nas escolas estaduais e municipais no Estado. Estudantes do ensino fundamental e médio de escolas estaduais e municipais apresentaram elevação de notas em Língua Portuguesa.

    São 40 municípios de referência no Pacto de Educação, cujas secretarias municipais de educação atuam em parceria com o Governo do Estado, instituições, entidades e empresas, para dinamizar o funcionamento das escolas públicas estaduais e municipais. As ações ocorrem em 18 que aderiram ao pacto, em 2015, para intensificar as ações no setor educacional, e em 22 que ingressaram no programa em 2016.

    Em comparação a 2014, os 18 municípios-piloto no pacto, em 2015, apresentaram crescimento em resultados em proficiência dos estudantes acima da média estadual, como disse Wanda Engel, diretora do Instituto Synergos do Brasil. “Por isso, estamos aqui compartilhando experiências entres os municípios”, afirmou. O Instituto Synergos atua na articulação de parcerias do Pacto pela Educação.

    Em Canaã dos Carajás, no sudeste do Pará, como destacou a técnica pedagógica da secretaria de educação do município, Valéria Silva, foi intensificado o trabalho pedagógico em sala de aula, abrangendo a gestão escolar, a formação continuada de professores. “Tivemos aumento na proficiência em Língua Portuguesa e um pouco menor em Matemática, e vamos intensificar o trabalho. Implantamos este ano a Avaliação Interna da Aprendizagem na escola”, afirmou Valéria Silva.

    Além de Canaã dos Carajás, o secretário municipal de Educação de Ulianópolis, Aurelino Gomes, expôs que “nos dois últimos anos foi possível aumentar a participação da comunidade municipal no contexto escolar, que até então era muito tímida, essa participação dos pais acaba estimulando o melhor desempenho dos estudantes, como se verifica no Sispae, além de ações estratégicas nas escolas e comunidade”. Na reunião, foram expostas propostas de metodologias de ensino e ações estratégicas, como a do Projeto Todos Aprendem, pelo Instituto ABCD, e também houve participação de técnicos do Projeto Família e Cidadania, coordenado pelo Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC) do Governo do Estado.

    Por Eduardo Rocha

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • A articulação de esforços em torno da melhoria do desempenho e da permanência dos alunos das escolas públicas do município de Terra Santa (PA) acaba de ganhar um importante reforço: trata-se do Comitê Municipal do Pacto pela Educação do Pará, que foi instalado na noite desta sexta-feira (13/05), no Salão Paroquial da cidade.

    Participam do Comitê representantes das Secretarias Municipais de Assistência Social, Educação e Saúde; da Escola Estadual Antônio Cândido Machado; da Rádio Paraíso, da Assembleia de Deus; da Igreja Católica e da Câmara dos Vereadores.

    Com aproximadamente 5 mil estudantes matriculados em 13 escolas municipais e uma escola estadual, na última aferição do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), em 2013, o ensino público de Terra Santa obteve nota 4,1 nos Anos Iniciais e 3,9 nos Anos Finais do Ensino Fundamental, alcançando as metas estabelecidas.

    Os próximos passos do Pacto pela Educação de Terra Santa será a instalação dos Comitês do Pacto em cada escola, no dia 24 deste mês, fortalecendo os Conselhos Escolares com a participação de organizações parceiras.

     Apesar do alcance das metas, o percentual de aprendizado dos alunos do 9º ano em Matemática, por exemplo, foi de somente 9%. “Para nós, o maior desafio é o interesse e a motivação dos alunos em estudar de fato. Temos um bom índice de frequência, mas as notas, os resultados ainda estão abaixo do esperado. Nós precisamos de parceiros para a educação, governamentais ou não, para trabalhar junto à família e ao aluno para que ele tenha um objetivo de vida e que a educação seja parte disso”, disse o Secretário de Educação de Terra Santa, Reginaldo Barbosa Gentil.

    Municípios – Em 2015, 18 municípios aderiram à iniciativa Município Piloto do Pacto (MPP), que visa mobilizar e apoiar municípios que se propõem a funcionar como “efeito demonstração” da possibilidade de todos alcançarem as metas do Pacto até 2017. Eles devem também servir como inspiradores para novos caminhos, na busca de melhoria dos resultados educacionais. E neste ano, mais 22 municípios aderiram, somando 40 Municípios do Pacto em 2016.

    Ao aderir à iniciativa, as Secretarias Municipais identificam e mobilizam parceiros já existentes ou potenciais organizações parceiras, que podem ser desde uma pequena empresa ou comércio, uma organização comunitária ou instituição religiosa, até uma empresa de grande porte.

    Terra Santa é um dos 40 Municípios do Pacto. Também fazem parte da iniciativa Almeirim; Ananindeua; ​Belém; Bonito; Breu Branco; Breves; Cachoeira do Arari; Canaã dos Carajás; Chaves; Curralinho; Goianésia do Pará; Ipixuna do Pará; Jacundá; Juruti; Limoeiro do Ajuru; Melgaço; Moju; Novo Repartimento; Oriximiná; Ourém; Paragominas; Ponta de Pedras; Porto de Moz; Prainha; Primavera; Redenção; Salinópolis; Salvaterra; Santa Bárbara do Pará; Santa Izabel do Pará; Santarém; São Félix do Xingu; São João de Pirabas; São Miguel do Guamá; Tailândia; Tracuateua; Ulianópolis; Vitória do Xingu e Xinguara.

    Saiba mais…
    • Comentários: 1
    • Marcações:
  • Mobilizar diferentes setores e a sociedade civil organizada e instalar o Comitê Municipal do Pacto pela Educação será o primeiro passo a ser cumprido pelas entidades que aderiram à iniciativa Município do Pacto em 2016. Esse foi o encaminhamento da primeira reunião entre Secretários Municipais de Educação, Organizações Parceiras, a Secretaria de Educação (SEDUC) e o Instituto Synergos, coordenador do Grupo de Parceiros Estratégicos do Pacto, realizada na tarde desta quarta-feira, 27/04, em Belém, com o foco de elaborar o Plano de Trabalho dos anos de 2016 e 2017.

    Com o objetivo de melhorar o aprendizado, garantir a permanência dos alunos na escola e a conclusão da Educação Básica na idade certa, a iniciativa Municípios do Pacto visa articular esforços entre diferentes setores, como saúde e assistência social, tendo a educação no centro das ações. Foram discutidos vários temas de interesse dos municípios, como a participação das famílias na educação das crianças e adolescentes, e também a importância da constituição de um Comitê Municipal do Pacto em cada município participante.

    Integram o grupo de novos Municípios do Pacto Ananindeua, Belém, Breu Branco, Breves, Cachoeira do Arari, Chaves, Goianésia do Pará, Ipixuna do Pará, Jacundá, Limoeiro do Ajuru, Novo Progresso, Novo Repartimento, Ponta de Pedras, Porto de Moz, Prainha, Redenção, Santa Izabel do Pará, São Félix do Xingu, São João de Pirabas, Terra Santa, Vitória do Xingu e Xinguara.

    Entre os compromissos dos municípios estão: implantar e apoiar o funcionamento pleno do Comitê Municipal do Pacto, que pode ser a comissão do Plano Municipal de Educação com a participação de outros setores; identificar e implantar as ações do Plano Municipal de Educação diretamente relacionadas às metas e resultados do Pacto; apoiar as escolas na identificação e implantação de ações do seu Plano Político Pedagógico diretamente relacionadas às metas e resultados do Pacto; instalar e manter o funcionamento de Comitês do Pacto na Escola (Conselho Escolar Ampliado) em pelo menos 60% das escolas públicas municipais.

    Com uma população de 100 mil habitantes e 34 mil alunos na rede municipal, a cidade de Breves, no Marajó aderiu ao Pacto este ano e possui quatro organizações parceiras. "Precisamos de uma ação conjunta para melhorar os nossos índices. Vamos trabalhar em parceria com o governo do estado, com a comunidade, para que a gente possa identificar as nossas problemáticas e buscar soluções, visualizando a importância de cada setor", disse a secretária de Educação de Breves, Benedita Cirino, destacando a importância do Comitê Municipal do Pacto.

    Pacto pela Educação - Com a meta de elevar a nota do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) em 30% até o ano de 2017, o Pacto pela Educação do Pará prevê ações estratégicas em sete resultados: 1) Melhorar o desempenho dos alunos; 2) Diminuir o abandono, a evasão e a defasagem idade-série; 3) Capacitar profissionais da educação; 4) Melhorar a infraestrutura; 5) Melhorar a gestão (Sistemas Estadual, Municipal e escolas); 6) Mobilizar a sociedade; e 7) Utilizar tecnologia da informação.

    Em 2015, 18 municípios aderiram à iniciativa Municípios Piloto do Pacto (MPP) e, com os novos 22 municípios que ingressaram este ano, o grupo de Municípios do Pacto soma 40 membros.

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • Vinte novos municípios paraenses se tornaram parceiros do Pacto Pela Educação do Pará. A assinatura do Termo de Compromisso aconteceu no fim da manhã desta quarta-feira (30), no Palácio do Governo, com a presença do governador Simão Jatene, prefeitos, e representantes de secretarias estaduais, municipais e iniciativa privada. Com mais essa adesão, ao todo são 38 municípios que assumem o compromisso de alcançarem as metas do Pacto em 2017, sendo a principal delas o aumento do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) em 30%.

    Ao se referir às prefeituras e empresas que tomaram a decisão de aderir aos Municípios do Pacto 2016/2017, como o projeto passou a se chamar nesta nova temporada, o governador Simão Jatene lembrou que como gestor é preciso tomar decisões que afetam diretamente a vida das pessoas. “As nossas escolhas vão além de escolhas profissionais, são escolhas de vida. Aderir a este esforço do Pacto é colocar a educação como elemento central de qualquer trabalho a ser realizado”, destacou o governador, que acredita que nesse momento a maior obra que desafia os governantes é a educação.

    Para o governador, as ações do Pacto Pela Educação que estão sendo realizadas em conjunto entre diferentes atores, criam um elo e fortalecem a base de uma nova realidade na área educacional pública. “A gente certamente está plantando uma árvore. Tenham a certeza que quando colherem o fruto lá na frente, nós saberemos o gosto e isso vai ser muito bom para os nossos corações e mentes, no sentido de mostrar que não foi em vão e que essa é uma luta que vale a pena”, reiterou Simão Jatene ao desejar vida longa ao Pacto.

    Segundo a secretária de estado de Educação, Ana Cláudia Hage, esta é mais uma formalização do esforço para se reverter a situação da educação. Mesmo o Pará pagando o quinto melhor salário das federações, ainda tem um dos piores índices do IDEB. "É preciso mudar a postura e passarmos a discutir a educação em todos os lugares de nosso extenso território geográfico. Temos que nos aliar aos municípios para sabermos onde estão os possíveis parceiros", reiterou a titular da Seduc.

    Entre os municípios que aderiram ao compromisso está a capital paraense. A Secretaria Municipal de Educação (Semec) mantém na capital e nas ilhas da região insular do município, mais de 70 mil alunos em 253 unidades escolares. Para a vice-prefeita de Belém, Karla Martins, é com muito orgulho que a maior rede municipal de educação do Pará assina o compromisso com o Pacto Pela Educação do Pará. "Aliado ao trabalho que já realizamos de investimento em nossa estrutura física e qualificação profissional, em parceria com o Governo do Estado e iniciativa privada, vamos cada vez mais perseguir uma educação de qualidade para nossos alunos", declarou a vice-prefeita.

    O município de Xinguara também aderiu ao Pacto. Para o prefeito Osvaldinho Assunção, a educação é um desafio de todos. “Temos que estar atentos ao desenvolvimento da educação e todos têm que estar envolvidos, pois não basta o governo fazer a parte dele se o município não fizer a sua parte e se a sociedade não fizer a parte dela. Não podemos ficar parados diante do desafio. Para termos um bom resultado, a gente tem que plantar para colher. É o que estamos fazendo no município de Xinguara”, afirmou o prefeito.

    A Fundação Telefônica, da operadora Vivo, foi uma das primeiras empresas parceiras do Pacto. O diretor regional da vivo na Região Norte, Ricardo Vieira, lembrou que para firmar parceria as empresas não precisam aportar recursos financeiros, mas sim trocar experiências e apoiar as ações. “Maior do que o compromisso financeiro, aqui reforçamos um compromisso de atitude junto a sociedade. Todos nós somos cidadãos e temos as nossas responsabilidades e a empresa não é diferente disso, então a gente considera vital o papel social que é muito forte dentro da organização. Um exemplo disso é que a empresa abre as portas para a escola pública no cargo de Jovens Aprendizes”, contou Vieira.

    Além de Belém e Xinguara também aderiram ao Pacto pela Educação os municípios de Ananindeua, Breu Branco, Cachoeira do Arari, Chaves e Goinésia do Pará, Ipixuna do Pará, Limoeiro do Ajuru, Novo Repartimento, Oriximiná, Ponta de Pedras, Porto de Moz, Redenção, Santa Bárbara, Santa Izabel, São Félix do Xingu e São João de Pirabas e Terra Santa. A diretora da Synergos, Wanda Engel, lembrou que são os municípios que escolhem participar do projeto, assegurando o caráter suprapartidário da iniciativa. “Ao se tornarem um Município do Pacto 2016/2017, um dos compromissos é ter algum parceiro não governamental ou privado que concorde em apoiar o município na melhoria da educação pública em suas escolas, garantindo o caráter público-privado do Pacto, assim como a sustentabilidade das ações, sua continuidade e transparência”.

    Projeto - Lançado no dia 26 de março de 2013, o Pacto pela Educação do Pará já trouxe importantes ganhos para o estado, como a implantação do Sistema Paraense de Avaliação Educacional (Sispae) e as mobilizações e articulações locais dos municípios para a melhoria na educação. Em 2015, surgiu o projeto Município Piloto que agora passam a formar o GMP - Grupo de Municípios Pacto, visando mobilizar e apoiar municípios que se propõem a funcionar como “efeito demonstração” da possibilidade de todos alcançarem as metas do Pacto, servindo como bússola para novos caminhos na busca de melhoria dos resultados educacionais nas sedes municipais.

    Participaram do evento os prefeitos de Ananindeua, Manoel Pioneiro; Santa Izabel, Gilberto Pessoa; Goianésia do Pará, Antônio Pego; Ipixuna do Pará, Salvador Chamon; Cachoeira do Arari, Benedito Filho; Chaves, Solange Lobato; São Caetano de Odivelas, Mauro Chagas, o Macalé; São João de Pirabas, Luiz Cláudio Barroso; Curuá, Adriana Silva; Óbidos, Mário Henrique Guerreiro; Juruti, Marco Dolzane; Oriximiná, Luiz Gonzaga Filho; Terra Santa, Marcílio Picanço; Ponta de Pedras, Consuelo Castro; Novo Repartimento, Valmira Alves; Porto de Moz, Edilson Cardoso; Prainha, Patrícia Hage; Limoeiro do Ajuru, Amarildo Pinheiro; São Félix do Xingu, João Cléber; Anajás, Vivaldo Mendes; e Nova Esperança do Piriá, José Marinho.

    (com a colaboração de Márcio Flexa – Ascom Seduc)

    Dani Filgueiras
    Gabinete do Governador

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • A participação de capital privado no desenvolvimento da educação pública estadual esteve em pauta durante o seminário "Parcerias Público-Privadas pela Educação" promovido pelo Instituto Synergos e Governo do Estado. O evento aconteceu no dia 3 de março, no Palácio do Governo, em Belém, e contou com a participação do governador Simão Jatene e gestores do setor educacional e empresarial.

    Entre as iniciativas que se destacam nesse sistema está o Pacto pela Educação do Pará, projeto lançado em 2013 que tem como principal objetivo promover o avanço da qualidade da educação pública e o aumento em 30% do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) em todos os níveis - Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio - em um período de cinco anos. Para isso, se utiliza de parcerias entre o governo estadual, prefeituras e diversos setores como iniciativa privada, organizações internacionais, igrejas, fundações, sociedade civil e a própria comunidade escolar.

    “Vale a pena articular uma integração entre iniciativa privada e Estado no enfrentamento do desafio de construir uma educação de qualidade. Essa é a grande questão. E vale não apenas para essa área, mas para todas, que possam se unir no sentido de construir o que eu chamo de público, que é maior do que o privado e do que o próprio Estado. É preciso deixar claro quanto a essa 'coisa pública' que todos têm o direito de usar e o dever de cuidar”, afirmou o governador do Estado Simão Jatene.

    O evento contou com a participação de Peggy Dulany, presidente do Instituto Synergos, organização estruturante do Pacto. A organização global sem fins lucrativos, criada em 1986, se propõe a contribuir na resolução dos complexos problemas de pobreza e desigualdade, promovendo e apoiando a participação cidadã. Durante sua atividade na organização, Dulany aprendeu muito sobre a criação e solidificação de parcerias que são capazes de resolver ou amenizar problemas sociais, além dos pontos que as levam a falhar. Para ela, a criação de parcerias significativas é essencial para mudança efetiva na educação do Estado e do país como um todo.

    Gostei de ver nesse encontro o reconhecimento dos empresários que se comprometeram e cumpriram com seus compromissos, pois para alcançar a meta de 30% de aumento no IDEB é importante que todos os setores se envolvam, incluindo o setor privado. Apesar de ser responsabilidade do setor público garantir educação para todos, isso só vai acontecer de uma forma eficiente e bem sucedida se a sociedade civil e as empresas participarem conjuntamente”, afirmou Peggy Dulany. “Só existe futuro com a educação. Para desenvolver o Estado economicamente e socialmente e até para desenvolver as famílias, os jovens têm que ter uma boa educação”, enfatizou.

    Envolvimento - A ação conta atualmente com cerca de 60 parceiros. Durante o evento, o governo reconheceu a importância do trabalho desenvolvido por 35 deles e certificou todos pela atuação no ano de 2015. Dos 15 presentes, três foram escolhidos para relatarem suas experiências no projeto, entre eles o Instituto Brasil Solidário. “Produzimos conteúdo educacional e para nós é muito gratificante poder trazer ações que não só mobilizam os municípios em prol de uma educação de qualidade, mas principalmente mostram como fazer toda essa transformação acontecer. Atuamos principalmente em Tracuateua, Primavera e Quatipuru, localidades nas quais optamos por trabalhar estrategicamente com nossos parceiros da iniciativa privada”, afirmou o diretor presidente da instituição, Luis Salvatore, que já atuava no Estado desde 2010 e aderiu ao Pacto em 2015.

    Outro parceiro do projeto é o Sistema Indústria, por meio do Serviço Social da Indústria (SESI), que promoverá a capacitação dos gestores escolares. “Nós estimamos capacitar um número de 200 diretores das maiores escolas do Estado e para isso contratamos uma consultoria, já com toda a programação aprovada em conjunto com a SEDUC. Esperamos, com isso, que o diretor da escola, que é quem dá o direcionamento, se contagie e entenda a sua própria realidade, que exerça a sua liderança e tenha conhecimento para buscar financiamentos externos, que saiba fazer uma prestação de conta, medir resultados e repasse isso para o seus funcionários, professores e alunos. E que esse conhecimento chegue até os familiares para que o ganho do aprendizado se dê de forma conjunta”, sinalizou o superintendente do SESI, José Olímpio Bastos. A primeira turma terá 40 alunos e as aulas iniciam no dia 28 de março, na escola do SESI da Avenida João Paulo II, em Belém.

    “O que nós estamos vendo aqui é que só o esforço coletivo do setor produtivo, dos trabalhadores, dos empresários, das famílias, do Estado, dos professores e dos alunos será capaz de criar uma educação transformadora. Os depoimentos que nós assistimos mostrando o engajamento de algumas empresas é o que nos alimenta, nos estimula e nos dá a certeza de que é possível, com a contribuição de cada um e de todos, vencer”, afirmou Simão Jatene. “A educação é importante, mas ela não pode ser importante só no discurso, ela tem que ser importante na prática, na doação de cada um no sentido de termos uma educação de qualidade”, complementou.

    Entre as ações e compromissos das organizações parceiras no Pacto estão o voluntariado empresarial, a seleção de Jovens Aprendizes alunos de escolas públicas, o envolvimento de pais de alunos em torno da importância da sua participação na vida escolar de seus filhos, a realização de cursos de capacitação, palestras, melhorias na infraestrutura de escolas e a participação nos Comitês Municipais do Pacto.

    Números – O Sistema Estadual de Ensino é composto por 2.169.199 alunos matriculados, da creche ao Ensino Médio, em 10.505 escolas distribuídas por 144 municípios paraenses, sendo que apenas 8% delas pertencem à rede estadual. Só nos 18 municípios piloto do Pacto, são 35.431 alunos matriculados em 1.532 escolas estaduais e municipais. O Pacto também é o primeiro projeto em educação a receber aporte financeiro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em uma operação orçada em US$ 200 milhões para expandir a cobertura do ensino e alavancar grande parte das atividades. A operação tem o aporte de US$ 150 milhões de contrapartida do Estado, totalizando investimentos de US$ 350 milhões.

    Entre os resultados já obtidos, no ano de 2015, está o ingresso de 2.910 novos profissionais na rede de ensino e o aporte de R$ 6,9 milhões em recursos na capacitação de 6.794 profissionais, entre professores, gestores e técnicos da área. Outro avanço é a saída de 14 mil alunos da condição de analfabetos, graças ao programa Brasil Alfabetizado (Mova Pará), que tem como meta erradicar o analfabetismo no Estado.

    A secretária de Estado de Educação, Ana Cláudia Hage, falou sobre os avanços do projeto no Estado. “Temos várias ações em andamento pelo Pacto, como o trabalho para combater a distorção série-idade, de alunos que estão no Ensino Fundamental e Médio. Hoje nós já temos 20 mil alunos que estão prestando atividades no curso para reverter essa situação e isso também já é um grande resultado”, disse.

    A secretária também ressaltou o desenvolvimento da educação como um todo e citou o grande número de estudantes da rede estadual aprovados nos vestibulares das principais universidades locais. Na UEPA, por exemplo, de acordo com a pró-reitoria de graduação da instituição, 2.002 estudantes de escolas da rede estadual foram aprovados para as 3.420 vagas da instituição, o que corresponde a cerca de 60% das vagas ofertadas. “Esses números já mostram um avanço. Sabemos que temos muito ainda por fazer, mas também sabemos que estamos no caminho certo”, defendeu Ana Cláudia Hage.

    Ao final do evento, o governador também falou sobre os números positivos de aprovação. “Esse é um indicador de que as coisas, ainda que não na velocidade e na escala que gostaríamos, estão começando a mudar, e que esse é um bom caminho”, avaliou Jatene. “Se você está tendo cada vez mais alunos de escolas públicas sendo aprovados, significa que se está avançando, mas estou consciente de que ainda temos pela frente uma longa caminhada para construir a educação que queremos”, finalizou.

    Lidiane Sousa
    Secretaria de Estado de Comunicação
    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:

  • Cerca de 2 mil Conselheiros Escolares participaram, ao longo deste ano, das formações do Programa Estadual de Fortalecimento dos Conselhos Escolares. A ação é promovida pelo Pacto pela Educação do Pará, por meio de parceria entre a Secretaria de Educação (Seduc), Secretaria da Fazenda (Sefa), Tribunal de Contas do Estado (TCE), Tribunal de Contas do Município (TCM), Ministério Público do Estado (MPE).

    A ação envolveu conselheiros de aproximadamente 800 escolas em todos os 18 Municípios Piloto do Pacto: Almeirim, Bonito, Canaã dos Carajás, Curralinho, Juruti, Melgaço, Moju, Ourém, Paragominas, Primavera, Salinópolis, Salvaterra, Santa Bárbara do Pará, Santarém, São Miguel do Guamá, Tailândia, Tracuateua e Ulianópolis.

    O Conselho Escolar é composto por membros de todos os segmentos da escola - alunos ou representantes de alunos, pais ou responsáveis, professores e servidores - e tem como finalidade auxiliar a gestão democrática. É ele quem gerencia os recursos financeiros recebidos pelas escolas. Tem também papel fiscalizador, mobilizador, e de deliberação e representação da comunidade escolar.

    Quando o conselho está irregular ou tem pendências na prestação de contas, a escola não pode acessar recursos de programas federais, como o Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) e o Programa Mais Educação, ficando mais dependente do repasse de recursos da secretaria de Educação da rede de ensino da qual faz parte.

    A formação aborda temas como educação fiscal; programas federais de educação e a gestão demicrática e o papel dos conselhos escolares; gestão escolar e prestação de contas. A iniciativa busca também colaborar na regularização dos conselhos de escolas municipais e estaduais que encontram-se com pendências.

    O Conselho, destacou José Francisco Bastos Mendes, coordenador do Conselho Escolar da Escola Estadual Frei Daniel, localizada em Belém, "é de importância vital para a escola, pois gerência a verba enviada pelo MEC (Ministério da Educação) para trabalharmos com projetos em prol da comunidade escolar", como os projetos Ensino Médio Inovador, Mais Educação e Atleta na Escola. Para ele, "a formação foi bem esclarecedora, pois não tínhamos tido nenhuma formação anterior de como lidar com o Conselho Escolar".

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • Ao abrir nesta terça-feira (15), no Palácio do Governo, o terceiro Encontro dos Municípios do Pacto pela Educação do Pará, o governador Simão Jatene enfatizou a necessidade do fortalecimento do setor educacional por unidade escolar. “Temos consciência e já estamos agindo nesse sentido, no Pacto, de que é a partir do incentivo e do reconhecimento daquelas escolas que conseguem cumprir suas metas de qualidade de ensino, é que teremos cada vez mais referências para as escolas nos municípios do Estado. Vamos cruzar informações sobre a realidade das escolas estaduais e municipais para que possamos avançar em parcerias e investimentos concretos. É preciso que Governo e municípios caminhem juntos na Educação Infantil, Ensino Fundamental e no Ensino Médio, sem fronteiras de Governo e prefeituras”, afirmou o governador. Simão Jatene referiu-se ao processo de parcerias institucionais viabilizado no Pacto pela Educação, conjunto de ações reunindo o Governo do Estado e parceiros para elevar o nível da educação no Estado, nos 18 municípios-piloto do Pacto.

    São municípios-piloto do Pacto: Almeirim, Bonito, Canaã dos Carajás, Curralinho, Juruti, Melgaço, Moju, Ourém, Paragominas, Primavera, Salinópolis, Salvaterra, Santa Bárbara do Pará, Santarém, São Miguel do Guamá, Tailândia, Tracuateua e Ulianópolis.

    Nesse sentido, o governador Simão Jatene enalteceu a atuação dos prefeitos dos municípios-piloto do Pacto, já que para avançar na educação requer empenho e superação por parte dos gestores, diante da crise econômica vigente no País. “A participação dos prefeitos nesse processo é decisiva, porque podemos dizer que o ponto de partida no Pacto pela Educação é o município. Não adianta se falar em cenário global se a base, o município, não estiver fortalecida. Com bons resultados nesses municípios podemos fazer com que outros também consigam concretizar ações positivas na educação”, afirmou o governador.

    A secretária de Estado de Educação, Ana Cláudia Hage, informou que nos 18 municípios piloto do Pacto, do total de 305.431 estudantes 75% (cerca de 230 mil) estão matriculados na Educação Infantil e Ensino Fundamental (escolas municipais) e apenas 25% (75 mil alunos) no Ensino Médio (escolas estaduais). Das 1.532 escolas, 7% são estaduais; a maior parte das unidades de ensino é de escolas municipais.

    Ações estruturais

    A secretária Ana Cláudia Hage, ao lado de Wanda Engel, diretora do Instituto Synergos, executor do Pacto, destacou que nos municípios piloto ao longo de 2015, nesse novo formato de atuação do Pacto, foi providenciada a formação de 479 professores, como parte do Projeto Aprender Mais (visando o reforço escolar em Língua Portuguesa e Matemática); 2.500 estudantes foram atendidos no projeto Mundiar, voltado para a correção da distorção idade-ano escolar; além da articulação do Centro de Formação de Profissionais da Educação Básica (Cefor/Seduc).

    Também nesse período houve atuação de 26 articuladores de projetos em escolas dos municípios; quatro escolas reformadas e 10 em andamento, além de projetos em processo de viabilização jurídica e operacional; 1.556 conselheiros escolares capacitados para a gestão de recursos públicos relacionados  à implantação e manutenção de projetos pedagógicos; implantação do Sistema Paraense de Avaliação Educacional (SisPAE); implantação do projeto Família Educadora para fortalecer o vínculo de grupos familiares e estudantes com as unidades escolares; recursos tecnológicos para educação foram colocados à disposição dos educadores e estudantes por meio da plataforma Seduc Digital.

    Para 2016, entre outras ações previstas no Pacto, como anunciou a secretária Ana Cláudia Hage, serão construídos planos de ação nas escolas, a partir dos indicadores educacionais de cada unidade de ensino, visando aumentar a proficiência dos estudantes, combater a distorção idade-ano escolar, repetência e evasão escolar.

    Como parte da programação da reunião de gestores do Pacto pela Educação do Pará, prefeitos e secretários municipais de Educação apresentaram resultados alcançados ao longo do ano e suas metas para 2016. A programação continua com a reunião do Comitê Gestor do Pacto.

    Eduardo Rocha
    Secretaria de Estado de Educação
    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • Tailândia instala Comitê Municipal do Pacto

    Combater a evasão nas escolas públicas de Tailândia, Município Piloto do Pacto, é um dos principais desafios do Comitê Municipal do Pacto pela  Educação do Pará, instalado na manhã desta quarta-feira (9). O evento, que contou com a participação do prefeito municipal Ney da Saúde, secretários municipais e gestores de escolas, aconteceu no auditório da Escola Estadual Tecnológica da cidade.

    Comitês Municipais do Pacto têm a função de articular as ações do Pacto com o Plano Municipal de Educação e com programas de outros setores, como Assistência Social, Saúde, Meio Ambiente, Cultura, Esporte e Lazer, entre outros, em uma agenda comum que vise a melhoria dos resultados educacionais.

    Em Tailândia, fazem parte do Comitê representantes das Secretarias Municipais de Educação; Assistência Social; Cultura, Esporte e Lazer, e da Saúde. Também são membros: o representante da Agropalma, empresa parceira do Pacto no município; o diretor da Escola Estadual sede em Tailândia e o da Escola Estadual Tecnológica.

    Desafios - Tailândia possui aproximadamente 103 mil habitantes. São cerca de 25 mil alunos estudando em 81 escolas públicas estaduais e municipais, 78 delas no campo. Em 2013, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) da Rede Pública de Tailândia atingiu as metas estabelecidas, mas permanece abaixo da média nacional. Numa escala de 0 a 10, para os anos iniciais a meta era 3,7, e o município alcançou nota 4,0. Já para os anos finais a nota alcançada foi 3,4, enquanto a meta era 3,6.

    Para a representante da Agropalma, Jane Elisa Bueck, o Comitê Municipal chega para articular, estruturar e fortalecer as ações do Pacto no município e garantir a participação social. A secretária de educação, Maria Conceição da Silva Medeiros, destacou que Tailândia vem  atingindo as metas, mas ainda há muito o que melhorar. "Temos feito um esforço muito grande e investido muito, com formações para os gestores escolares, visando o IDEB. Acredito que o Comitê Municipal do Pacto possibilite integrar diferentes setores e envolver as escolas. Muitas escolas já têm suas parcerias", disse.​



    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) deu início ao Workshop de Resultados dos Projetos do Pacto pela Educação do Pará em 2015 que também definirá os próximos passos para 2016. Dividido em dois momentos, o workshop teve início na tarde desta quinta-feira (03), com a apresentação dos resultados educacionais pelos responsáveis de resultados e líderes de projetos.

     Participam do workshop secretários adjuntos de ensino, diretores, coordenadores e gestores das Unidades da Seduc na Escola (Seduc) de Belém, que compõem 25% das escolas de Ensino Médio do estado.

    Para o secretário adjunto de Ensino da Seduc, José Roberto Silva, é um momento importante para consolidar as ações do Pacto pela Educação e também para confraternização com todos os envolvidos os resultados nesta trajetória de 2015. “É um momento ímpar para os líderes de projetos que também poderão dialogar e socializar esses dados nas próximas ações do Pacto”, disse o secretário.

    Até o final da tarde serão apresentados os resultados nº 1 (Melhorar o desempenho dos alunos), nº 3 (Capacitar profissionais da Educação), nº 4 (Melhorar a rede física das escolas) e nº 5 (Melhorar a gestão).

    A primeira a apresentar foi Marizete Martins da Silva, que falou sobre a atuação dos projetos e programas executados pela diretora de Educação Infantil e Fundamental (Deinf) da Seduc: Educação Integral, Mundial, Pnaic (Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa), Aprender Mais e Coordenadores de Pais.

    “Trata-se de um balanço para fortalecer os próximos passos de planejamento para 2016 e um momento para as equipes conseguirem socializar seus avanços e dificuldades”, disse Márcia Aguiar Ribeiro, do Escritório de Projetos da Seduc.

    O Workshop de Resultados do Pacto pela Educação segue nesta sexta-feira (04), das 14h às 18h, com apresentação dos resultados nº 2, 6 e 7, sobre Diminuir a evasão e a reprovação, mobilizar a sociedade e utilizar a tecnologia de informação.

    No próximo dia 14, será realizada uma reunião de trabalho com os 17 municípios-piloto e parceiros do Pacto pela Educação do Pará que farão um balanço das ações de 2015 e definirão os compromissos que deverão cumprir em 2016. A reunião ocorrerá das 14h às 18h, no auditório da Secretaria.

     

    Texto: Ascom/Seduc

    Foto: Eliseu Dias

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • Estão abertas as inscrições para os cursos Gestão de sala de aula e Gestão para a Aprendizagem para o ano de 2016 da Elos Educacional, em parceria com a Fundação Lemann.

    Esta é uma oportunidade para apropriação de novos procedimentos metodológicos, pois os cursos oferecidos permitem traçar diálogos com os projetos desenvolvidos nas escolas do seu município, fazendo os ajustes necessários.

    Com mais de 300 gestores formados, em 2015, a UNESCO reconheceu o programa Gestão para a Aprendizagem como uma das experiências inovadoras em formação de lideranças escolares na América Latina.

    Podem se inscrever professores, duplas gestoras (coordenadores e diretores juntos) e secretários de educação/dirigentes de ensino.

    Para saber mais, acesse o edital completo no site http://www.eloseducacional.com/

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • Representantes dos 18 municípios que integram o “Município Piloto do Pacto pela Educação do Pará” se reuniram em Belém nesta quarta-feira (21) para discutir de que forma diferentes setores estão colaborando para melhorar a educação pública nessas cidades. Esta foi uma das últimas reuniões de trabalho antes da aplicação, em novembro, da Avaliação Nacional do Rendimento Escolar (Anresc), também conhecida como Prova Brasil.

    Para o secretário adjunto de Ensino da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), José Roberto Silva, este é o momento de realinhar as atividades dos últimos dois anos feitas dentro do Pacto pela Educação. “É o momento de prestarmos conta dos resultados alcançados tanto nas redes municipais quanto estadual e também de os municípios verificarem como as ações que estão em andamento proporcionam condições para que possamos ter um resultado positivo nas avaliações”, explicou. O projeto Município Piloto, lançado no primeiro semestre deste ano, já envolveu 18 municípios com o compromisso de elevação dos índices da educação, meta do Pacto pela Educação no Pará.

    Com a assinatura do termo de Termo de Compromisso do pacto, as administrações municipais comprometeram-se a assegurar, até o fim de 2015, a instalação e funcionamento da comissão do Plano Municipal de Educação/ Comitê Municipal do Pacto e Conselho Municipal de Educação; criação de um Plano Municipal de Educação, baseado nas metas e nos resultados do Pacto; a ter pelo menos 90% das escolas públicas estaduais e municipais com Conselho Escolar regularizado, funcionando e adimplente; a garantir participação no Sispae 2015 com cobertura acima de 75% dos alunos de pelo menos 80% das escolas municipais e estaduais; além de implantar mecanismos que garantam a transição dos alunos entre os ensinos fundamental e médio.

    A secretária de Educação de Santarém, Irene Escher, diz que esta é uma oportunidade de troca das experiências da realidade na educação de cada um dos municípios pilotos do pacto. “As ações precisam ser conjuntas e por isso, em Santarém, buscamos uma parceria muito forte porque entendemos que é interesse de todos melhorar a Educação”, explicou.

    O Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) de 2015 será aplicado entre os dias 3 e 13 novembro em todos os Estados e no Distrito Federal. O Saeb é composto pela Prova Brasil e pela Avaliação Nacional da Educação Básica (Aneb), popularmente conhecida apenas como Saeb. Os resultados das avaliações fazem parte do sistema compõem o cálculo do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2015. A Prova Brasil será aplicada nas escolas públicas de zonas rurais e urbanas que tenham o mínimo de 20 estudantes nos 5º e 9º anos (4ª e 8ª séries do ensino fundamental regular de oito anos). A Aneb é aplicada em turmas de 5º e 9º anos do ensino fundamental e de 3ª série do ensino médio, em uma amostra de escolas das redes pública e particular.

    Márcio Flexa
    Secretaria de Estado de Educação

     

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • SisPAE 2015 terá provas em novembro

    As provas do Sistema Paraense de Avaliação Educacional (SisPAE), da Secretaria de Estado de Educação, serão aplicadas nos dias 18 e 19 de novembro para um milhão de estudantes das escolas estaduais e municipais públicas em Belém e no interior do Estado. Farão a prova estudantes matriculados no 4º e 5º anos do Ensino Fundamental de 9 anos, de 7ª e 8ª séries do Ensino Fundamental de 8 anos, 1º, 2º e 3º anos do Ensino Médio, 2ª e 4ª séries do Ensino Médio Integrado, Sistema de Organização Modular de Ensino (SOME) e Casas Familiares Rurais (Ensino Fundamental e Médio).

    O SisPAE avalia o desempenho de estudantes nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática, considerando fatores que incidem no processo ensino-aprendizagem. “Essa avaliação é realizada anualmente desde 2013, reunindo informações detalhadas sobre a proficiência dos alunos das escolas públicas do Estado e dos municípios, para fundamentar o planejamento de ações da Seduc e prefeituras municipais, além de auxiliar os estudantes na assimilação e reforço de conteúdos”, afirmou a coordenadora do SisPAE, Conceição Brayner, da Secretaria Adjunta de Ensino (SAEN).

    Capacitação

    Para a realização da etapa de provas, o SisPAE capacitará técnicos de referência (um por município e um por unidade gestora estadual – Unidade Seduc na Escola (USE) e Unidade Regional de Educação (URE). Esses profissionais participarão, no dia 22, de curso em polos definidos pela Seduc. Essa capacitação será viabilizada pela Seduc em parceria com a Universidade Estadual Paulista (Vunesp), instituição contratada para a elaboração dos itens, logística de aplicação, processamento de dados, elaboração de boletins e relatórios pedagógicos.

    Os técnicos de referência serão responsáveis pelo treinamento de supervisores, na sede de cada um dos quatro polos, com carga mínima de oito horas. A relação dos polos de treinamento do SisPAE e seus respectivos municípios está disponível no site da Seduc (www.seduc.pa.gov.br), onde também pode ser consultado o Manual de Orientações – Módulo I. Mais informações pelo fone (91) 3201-5035.

    Eduardo Rocha
    Secretaria de Estado de Educação
    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • Representantes de diferentes segmentos em Canaã dos Carajás participaram, nesta quarta-feira, 30, da instalação do Comitê Municipal do Pacto pela Educação do Pará. A ação visa fortalecer compromissos e articular a participação de diferentes setores na melhoria da educação pública do município, um dos Pilotos do Pacto. A cerimônia foi realizada no Centro Educacional José de Deus, no bairro Parque Shalon.

    O Grupo Gestor do Comitê Municipal é constituído pela secretária municipal de Educação, Jacqueline Moura; pela responsável da área de Educação da Fundação Vale, instituição parceira do Pacto no município, Maria Alice Santos; a secretária de Assistência Social, Marlene de Oliveira Cruz; a secretária de Saúde, Marlene Carmo; o secretário de Meio Ambiente, Daniel Soares de Souza; de Segurança, Adilson Tavares; o delegado da Polícia Civil Bruno de Lima; a representante dos Conselhos Escolares, Maria do Socorro da Silva; do Conselho Municipal de Educação, Lira Cristine Santos; e do Fórum Municipal, Elenjusse Martin da Silva.

    Os Comitês Municipais têm o papel de articular as ações do Pacto com o Plano Municipal de Educação e com programas de outros setores, como Assistência Social, Saúde, Meio Ambiente, Cultura, Esporte e Lazer, entre outros. Também é papel do Comitê Municipal do Pacto monitorar a execução do Plano Municipal de Educação e acompanhar seus resultados. Em Canaã dos Carajás, o Plano Municipal foi elaborado de forma articulada com os resultados do Pacto.

    A Fundação Vale é a representante do setor privado no Comitê Municipal. Maria Alice Santos, responsável pela área de Educação na instituição, explicou que acompanhará as ações do Pacto no município. “Inicialmente, a partir do diagnóstico da situação da educação em Canaã, vamos fazer o planejamento das ações do Pacto de forma articulada ao Plano Municipal de Educação. Será também uma ação importante ampliar o número de membros do Comitê Municipal por meio de uma mobilização de lideranças locais para a valorização da educação pública na cidade”, disse.

    Ela destaca que em função do acelerado crescimento, Canaã dos Carajás apresenta questões bastante específicas comparadas a outras regiões nas quais a empresa atua. “O número de alunos cresce muito a cada ano. São crianças e adolescentes vindos de diferentes regiões do país. Por isso, apoiar a Secretaria de Educação na estruturação de suas ações, com foco nessa especificidade do município, ampliando o número de vagas com qualidade, é um dos principais desafios do ensino regular”, explicou.

    Desafios - Canaã dos Carajás possui cerca de 33 mil habitantes. São perto de 15 mil alunos matriculados em 29 escolas públicas municipais e estaduais. Em 2013, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) da Rede Pública de Canaã dos Carajás cresceu, mas não atingiu as metas estabelecidas nos anos iniciais e nos anos finais do Ensino Fundamental.

    Para os anos iniciais a meta era 4,3, e o município alcançou 4,2. Já para os anos finais a nota foi 3,9, enquanto a meta era 4,0. O desafio da educação em Canaã é o mesmo de todos os demais municípios: garantir mais alunos aprendendo com mais qualidade e com um fluxo escolar adequado.

    “A gente vê uma luz no final do túnel porque infelizmente o nosso IDEB está muito abaixo da média nacional. Quando se faz uma adesão ao Pacto, juntamente com toda equipe da educação, é um sinal de que queremos avançar e procurar melhorar o nosso IDEB, afirmou o prefeito de Canaã, Jeová Andrade. Ele destacou a importância das parcerias. “Vamos chamar pais de alunos e outras entidades para discutir no dia a adia. É fundamental ter a consciência de que o avanço na educação e de responsabilidade de todos nós”, disse.

    Para Wanda Engel, diretora do Instituto Synergos, organização estruturante do Pacto, governos estaduais e municipais necessitam fazer da educação a centralidade de suas administrações, integrando as ações de áreas como assistência, saúde, cultura e esporte, aos esforços do setor educacional.

    Segundo ela, dirigentes educacionais de diferentes níveis precisam integrar projetos e ações, tomando por base o território dos municípios, cujas redes - municipal e estadual - devem ser tratadas como uma unidade de oferta educacional às crianças e jovens de cada municipalidade.

    “Neste momento, com o Comitê Municipal do Pacto em Canaã, estamos fortalecendo o espírito de Pacto, com a mobilização de todos os setores em torno dos objetivos comuns de melhorar o desempenho dos alunos e evitar o processo de evasão”, enfatizou Engel. 

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • Cerca de 100 conselheiros escolares de 32 escolas públicas de Curralinho, no Marajó, participam, nesta terça (29) e quarta-feira (30), da Ação de Fortalecimento dos Conselhos Escolares, promovida pelo Pacto pela Educação do Pará. A formação, no Club Muruaru,é feita em parceria pelas secretarias estadual (Seduc) e municipal de Educação, Tribunal de Contas do Estado (TCE) e dos Municípios (TCM), Secretaria da Fazenda (Sefa) e a Associação dos Municípios do Arquipélago do Marajó (Amam).

    No encontro são abordados temas como educação fiscal; o funcionamento de uma ouvidoria de Tribunal de Contas; programas federais de educação e o papel dos conselhos escolares; gestão escolar e prestação de contas. A iniciativa busca também contribuir para a prestação de contas dos municípios com relação a investimentos no setor educacional.

    Todos os 18 municípios-piloto do Pacto pela Educação do Pará recebem a formação, que, desde junho, já ocorreu em Almeirim, Canaã dos Carajás, Moju, Salvaterra, Santarém e São Miguel do Guamá. Até o fim deste ano, o treinamento vai para Bonito, Juruti, Ourém, Paragominas, Primavera, Salinas, Santa Bárbara do Pará, Tailândia, Tracuateua, Santa Bárbara do Pará e Ulianópolis.

    O Conselho Escolar é composto por membros de todos os segmentos da escola –alunos ou representantes de alunos, pais ou responsáveis, professores e servidores – e tem como finalidade auxiliar a gestão democrática. Tem também papel fiscalizador, mobilizador, e de deliberação e representação da comunidade escolar. Quando o conselho está irregular ou tem pendências na prestação de contas, a escola não pode acessar recursos de programas federais, como o Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) e o Programa Mais Educação, ficando mais dependente do repasse de recursos da secretaria de Educação da rede de ensino da qual faz parte.

    União – Representantes de diferentes setores de Curralinho reuniram-se na tarde de segunda-feira (28) para a instalação do Comitê Municipal do Pacto pela Educação do Pará, com o objetivo de fortalecer e articular compromissos em torno da melhoria da educação pública da cidade. O Grupo Gestor do Comitê Municipal é constituído pela Secretaria municipal de Educação, Seduc e Instituto Peabiru, parceiro do Pacto em Curralinho.

    Os comitês municipais têm o papel de articular as ações do Pacto com o Plano Municipal de Educação e com programas de outros setores, como assistência social, saúde, meio ambiente, cultura, esporte e lazer, entre outros. Também é papel do comitê municipal monitorar a execução do Plano Municipal de Educação e acompanhar resultados. Os membros têm ainda a missão de incentivar e apoiar a atuação dos Conselhos Escolares para exercerem a função de Equipes Gestoras do Pacto na Escola.

    Com uma população estimada em 32 mil habitantes, Curralinho tem 47 escolas públicas, das quais 40 estão localizadas em zona rural ou ribeirinha. Apesar de ter havido uma melhora no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) do município, que passou de 1,9, em 2005, quando a avaliação nacional foi criada, para 2,6, em 2013, a meta para aquele ano, de 3,6, não chegou a ser alcançada.

    Para se ter uma ideia dos desafios da educação em Curralinho, somente 2% dos alunos do 5º e do 9º ano do ensino fundamental tiveram aprendizado adequado em matemática, segundo indicadores do Ideb de 2013. Em língua portuguesa não foi diferente: a proporção de alunos com aprendizagem adequada é de apenas 8%.

    “Com a composição do comitê, diversos segmentos da sociedade fazem parte de um único projeto que tem como objetivo melhorar os resultados educacionais. De que forma a saúde pode ajudar na educação? De que forma as demais instâncias da sociedade civil organizada podem participar? São essas ações planejadas, compartilhadas e executadas que vão nos ajudar a enfrentar os desafios da educação em Curralinho”, afirmou o secretário municipal de educação em exercício, Jonas Farias.

    Márcio Flexa
    Secretaria de Estado de Educação

     

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • A Coordenação de Educação Especial da Secretaria de Educação (Seduc) promove nesta quinta-feira, 24, o “Diálogo Aberto: Dislexia em foco”, painel de debates que integra a Semana Nacional de Dislexia promovida pelo Instituto ABCD em todo país. Em Belém, a programação será realizada no Centro Integrado de Inclusão e Cidadania (CIIC), das 8h às 18h, reunindo professores do Atendimento Educacional Especializado da Rede Estadual de Ensino.

    Coordenação de Educação Especial assiste alunos com deficiência, transtornos globais de desenvolvimento e altas habilidades/superdotação. A dislexia faz parte dos casos que implicam em transtornos funcionais específicos. Juntamente com a discalculia -  desordem neurológica específica que afeta a habilidade de uma pessoa de compreender e manipular números - ela é tema da formação “Todos Aprendem”, promovida pelo Instituto ABCD e pela Seduc, por meio do Pacto pela Educação do Pará, voltada a professores das séries iniciais do Ensino Fundamental de escolas públicas estaduais e municipais.

    Em 2014, aproximadamente 500 professores de 1ª a 3ª série do Ensino Fundamental da Região Metropolitana de Belém participaram da capacitação. Em 2015, outros 170 foram capacitados. Este ano, além de formação teórica, haverá atividades práticas em sala de aula. Também já participaram da formação professores de escolas de três Municípios Pilotos do Pacto: Ulianópolis, Moju e Tailândia. Os próximos a receberem a formação serão os professores de Paragominas.

    Serviço: O CIIC fica na avenida na Almirante Barroso, 1765, entre Angustura e Barão do Triunfo, no bairro do Marco. 

    Fonte: http://agenciapara.com.br/pauta.asp?id=14873 

    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
  • Dislexia é tema de formação de professores

    Quem vê o estudante Leonardo Melo, 17 anos, feliz e enturmado, tirando selfie com os colegas em sala de aula, não imagina o quanto ele já se sentiu deslocado. Leonardo está inserido no grupo de cerca de 700 milhões de pessoas no mundo que sofrem com a dislexia, um transtorno do desenvolvimento da linguagem que afeta a aprendizagem da leitura, da escrita e da soletração. Ele se alfabetizou apenas aos nove anos, com uma professora particular, depois de passar pela avaliação da Coordenadoria de Educação Especial do Pará (COEES), da Secretaria de Estado de Educação (Seduc).

    A COEES trabalha com uma equipe de fonoaudiólogos, pedagogos e psicólogos que avalia o aluno com dificuldades no aprendizado e orienta a família a procurar um neurologista. Com o diagnóstico da dislexia fechado por esse especialista, a coordenação passa a atuar junto à família e à escola do aluno. De maneira que não se restringe apenas às escolas públicas. Leonardo, por exemplo, hoje é aluno do 2º ano do ensino médio, no colégio Olimpus.

    Com a atenção especial dos professores, ele deixou os tempos de preconceito pra trás. “O que mais me incomodava na infância era perceber que meus amiguinhos eram mais adiantados do que eu na leitura. A primeira vez em que eu tive que ler em voz alta, na sala de aula, foi horrível. Eu gaguejava muito e suava frio. Hoje, eu não tenho mais que passar por esse constrangimento”, contou Leonardo, agora muito mais aliviado.

    “A parceria da escola com a família é fundamental. Hoje, o Leonardo está muito mais sociável e confiante, o que reflete na melhora das suas notas”, disse Ane Serrão, coordenadora da escola particular onde Leonardo estuda.

    Para orientar os professores a lidar com o aluno com sintomas de dislexia, a Coordenação de Educação Especial vai promover no dia 24 de setembro, no auditório do CIIC (Centro Integrado de Inclusão e Cidadania), na avenida Almirante Barroso, a palestra “Diálogo aberto: dislexia em foco”. A palestra marca o engajamento da Coordenadoria de Educação Especial do Pará na Semana Nacional de Dislexia 2015, promovida pelo Instituto ABCD, de 19 a 26 de setembro, em todo o país. “Nossa missão é sensibilizar os professores para também auxiliar os professores de aulas regulares a lidar com o aluno com sintomas de dislexia. Não podemos expor esse aluno a constrangimentos, como ler em voz alta, por exemplo”, informou a coordenadora de Educação Especial, Camila Valinoto.

    A sensibilidade no trato com o aluno com sintomas de dislexia é fundamental para o seu desenvolvimento dentro da sala de aula. E isso tem que ser feito desde a infância, quando aparecem os primeiros sinais de dificuldades no aprendizado, como trocar letras ou não conseguir desenhar no local correto.

    Formação - O Instituto ABCD é um parceiro da Secretaria de Educação do Estado, a partir das parcerias abertas pelo Pacto da Educação no Pará. A intenção é proporcionar aos professores a formação continuada. A Secretaria de Educação do Estado trabalha com o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, o PNAIC, que é uma formação dos professores vinda através do Governo Federal. “Com isso, nós estamos atendendo os professores do primeiro ao terceiro ano do ensino fundamental. O instituto ABCD vem e nos ajuda a potencializar a formação de professores do PNAIC, o que já acontece desde o ano passado”, explicou a diretora de Educação Infantil e Ensino Fundamental da Seduc, Marizete Martins.

    A Semana de Dislexia é uma campanha que o Instituto ABCD também está abraçando e divulgando para todo o Brasil. Aqui no Pará, eles pediram para que a Seduc disseminasse essa informação nas escolas, dando maior amplitude na divulgação das atividades. A Secretaria de Educação, então, indicou  a Coordenadoria de Educação Especial para participar mais ativamente dessa campanha, já que eles trabalham diretamente com os professores da educação especial.

    “No ano passado, o Instituto ABCD fez uma formação no âmbito mais teórico. Porque os professores do PNAIC, que estão participando dessa formação com o Instituto, não são professores de classes especiais, mas  têm alunos especiais regulares incluídos em suas turmas. Então, a formação do Instituto veio pra dar mais condição desse professor de estar lidando com esse aluno no dia a dia da sala de aula”, reforçou a diretora Marizete Martins.

    Syanne Neno
    Secretaria de Estado de Comunicação
    Saiba mais…
    • Comentários: 0
    • Marcações:
RSS
Envie-me um email quando houver novos itens –